black

Marina Linhares

” O gazebo” ambiente assim nomeado pela arquieta Marina Linhares, este ano na mostra Black teve uma privilegiada localização. Em meio a uma área verde, a arquiteta, desenvolveu uma cobertura translúcida de vidro que aliada a um mobiliário descontraído transmitiu uma ideia de praia ou campo.

O charme do “meio tom” junto à iluminação que percorre entre as ripas de madeira fez um efeito de luz e sombra muito agradável.

O Ambiente contou com um apoio especial da ETEL, a poltrona Verdana de Jorge Zalszupin, a Mesa Oval Garça, e os dois sofás.

As escolhas dos tons semelhantes de madeira em contraponto com a ousadia da mistura de tecidos fez a harmonia da ambientação.

Inclusive vocês já sabem, mas não custa lembrar: nós somos representantes exclusivos da ETEL em Belo Horizonte.


Guilherme Torres

O espaço do jovem arquiteto Guilherme Torres aconteceu a partir de uma construção que saiu do zero no pátio dos fundos de uma casa com a arquitetura modernista muito forte.

Inspirado pelo pavilhão de Barcelona de Mies Van der Rohe, Guilherme criou um personagem com um perfil imaginário chamado “Mister Black”. Para ele significa um alter-ego dele mesmo, isto é, um colecionador de arte jovem, apaixonado por música e que gosta de receber os amigos.

Na entrada a cortina de metal deixa um mistério para o visitante que ao entrar se depara primeiro com uma moto maravilhosa e em seguida,  um cubo de mármore branco paraná.

Um espelho d´água sem espelho atravessa o ambiente bem abaixo da linda parede exterior de mármore e o mobiliário é bem eclético. Usou a maioria das peças em estilo antigo, como por exemplo um biombo década de 50 feito pelo arquiteto Lúcio Costa e o carrinho de bar de Zalszupin. Em contraponto os moderníssimos quadros do ambiente foram uma homenagem a artistas brasileiros que estão em ascensão.

O arquiteto tem uma proposta Jovem, contemporânea, e expressa um novo olhar para uma diferente forma de se habitar.

O ambiente toca uma musica incrível que envolve quem por ali passeia.

A atmosfera que Guilherme criou no ambiente é completamente autentica! Adorei! Acredito que este ambiente tem muito a dizer. Para os seguidores da moda é um prato cheio! Realmente é que chamamos de : ÚLTIMO GRITO!

Seguem dois links relacionados ao espaço. O primeiro é o mister black que permite a todos a conhecer o ambiente e o personagem, e o segundo é um entrevista com o próprio.

http://www.misterblack.com.br/pt/

http://www.youtube.com/watch?v=MFUTNqhKxpc&feature=relmfu

 


SIG BERGAMIN

Sig Bergamin como sempre, um profissional cheio de estilo, comprovou a sua grande competência na mistura de cores, estampas e até de estilo mesmo. Presente pela segunda vez na mostra, ele ocupou um espaço de 100 metros quadrados, que levou o nome de “Sala com Lareira e Terraço”, que foi inspirado na morada de um escritor americano no deserto da Califórnia durante 1960.

Mármore, madeira, veludo, espelhos, peças da década fizeram o ambiente ser completamente especial nesta Mostra! As obras de arte foram emocionantes. Pelo que entendi ele dividiu um pouco os “assuntos” para cada parede do ambiente: Partes do corpo humano, fashion street, telas e natureza.

Aplausos ao Sig! Achei simplesmente maravilhoso!


JARDIM DE ALEX HANAZAKI

Alex Hanazaki

Jardim Hana Zaki

O conceito do espaço surgiu do próprio nome do paisagista que traduzindo para o português significa “crescimento da flor” e do desejo de interpretar o que sua infância significou para ele.

O resgate do passado do artista, que se passou em uma cidade do interior de São Paulo chamada Presidente Prudente, campo de agricultura, foi o principal tema do ambiente que em seus 800 metros quadrados, optou pela simplicidade do cultivo de hortaliças de uma forma mais contemporânea.

Ele descreveu o jardim como imagens que se referem aos campos de plantio, rios, montanhas e caminhos que ele avistava durante viagens de avião sobre o interior de São Paulo.

Foi muito interessante à forma com que Hana Zaki se apresentou na mostra. A placa de entrada, que por sinal é lindíssima tinha uma pequena janela que ele chamou de “olho mágico”. Assim como os tradicionais, da visibilidade ao ambiente através de um pequeno vidro. (veja na foto a cima)

http://www.youtube.com/watch?v=HyzmwDAuM6w


BLACK

Olás!

Depois de tanto tempo afastada hoje volto com as fotos da Mostra Black.

Já em sua segunda edição o evento acontece em São Paulo, neste mês de junho. Com apenas 22 ambientes, os convidados foram os mais consagrados profissionais da área. Arquitetos, designs de interiores e paisagistas que puderam interpretar livremente os espaços.

A São Romão esteve lá para confirmar o sucesso da ultima edição e ver quais são as tendências para o ano de 2012.

A conclusão é bem notável : Uma forte tendência Vintage.

Mais uma vez volto com as minhas fotos amadoras para deixar vocês por dentro do que acontece lá e demonstrar um pouco do nosso olhar sobre o que mais gostamos. Inclusive a minha opinião é que vale a pena a visita!

O primeiro ambiente é de ninguém menos que João Armentano. O “Estar do Giardino” teve como inspiração um objeto com design “black”: uma caixinha de fósforo ! para ele signifca algo funcional e inteligente. Desta forma, o ambiente era todo revestido de madeira internamente de cimento do lado exterior ligando-se ao jardim. A seleção de móveis foi primorosa.

Com um estilo um pouco mais clássico João Armentano agradou a gregos e troianos. Desde os arranjos de flores, a seleção dos livros, a seleção de obras de arte, o layout completamente solto o arquiteto acertou. Os móveis foram muito bem escolhidos! A Chaise Rio do arquiteto Oscar Niemeyer  teve o seu merecido lugar de destaque e foi utilizada de uma das melhores formas que já vi: como uma escultura mesmo. Na sala de “visita” apesar do espaço ser grande, apenas duas cadeiras ao invés das mais frequentes poltronas me chamaram atenção. Ficou leve e muito elegante.   A marcenaria que estava no “corredor” ficou linda! Quem pensaria em substituir os tradicionais painéis lisos, por este todo “ripado”? deu um movimento, e saiu da mesmice. Adorei!

As duas mesas de centro com um design simples foram repetidas nos dois ambientes. A poltrona vermelha, do designer Gerrit Thomas Rietveld, que é desde sempre uma das minha favoritas também estava lá. O tapete de zebra solto, compos o ambiente e preencheu o espaço com muito estilo.

As obras de arte foram extremamente bem colocadas. Reparem que a maior foto esta desolocada em relação ao sofá. Já as outras menores na lateral, estão com uma moldura incopleta.

Sem mais os milheres de elogios, seguem as fotos………..