Design Brasileiro

Baba Vacaro em formas de crônicas.

Em meio a todos os eventos do Design Weekend, o lançamento do livro de Baba Vacaro aconteceu na Livraria da Vila no Jardins em São Paulo.

O livro trata-se de Design&Processo e foi  assinado pela jornalista Cristina Ramalho. Segundo ela, o universo de Baba é repleto de não apenas criações, mas também de viagens, leituras, gostos, etc.

A relação criativa entre Baba Vacaro e o design se desdobrou em algumas parcerias de sucesso tais como a Prima Design, Alle Design entre outros.

A São Romão esteve presente no lançamento, pois admira muito o trabalho da designer.


ETEL Interiores em Arte Aplicada.

A ETEL Interiores mais uma vez reafirma que seu conceito esta totalmente vinculado com a arte.

A coletiva inédita e conceitual de Arte Aplicada recebeu obras assinadas por grandes artistas como Marcelo Cipis, Roberto Mícoli e Paulo Werneck.

Marcelo Cipis apresentou uma curiosa peça: As Kaixollas. Esta curiosa peça surgiu da necessidade de organizar em um lugar só os pertences como:  chaves, documentos, carteiras, óculos etc em apenas um lugar.

“Caixa” e “cachola” neste caso foram representados como a cabeça, sendo este agora um objeto com componentes faciais comuns a seres humanos. Isto é, uma caixa com boca, olhos nariz e ouvidos. Trata-se de portanto de uma obra utilitária mas também artistica.

Marcelo Cips transita pelo desenho em varias situações. É um verdadeiro artista gráfico.

As Telas de Roberto Mícoli com forte inspiração modernista, foram utilizadas pela designer Etel Carmona para a composição de biombos.

Nascido em Campinas no ano de 1953, foi desenhando com o pai, que Micoli se iniciou no campo da arte, tendo atuado no cenário artístico desde 1975. Através de pinturas e objetos, ele sempre busca em seus trabalhos o resgate à ancestralidade  , seja no processo manual quanto na aplicação de conceitos do construtivismo contemporâneo.

Pode se ver claramente nas suas pinturas da última década, uma releitura dos clássicos.

Micoli tem participações importantes em diversas exposições individuais e coletivas ao longo do Brasil e do mundo, como obras expostas nos museus MASP, MAC USP, a coleção Nemirovsky e outros particulares.

Telas de Roberto Micoli compõem biombos cujo design de Etel resgata os conceitos de “arte aplicada” do modernismo brasileiro, tendo John Grass e Flávio de Carvalho – entre outros – como fortes expressões do período.

As “Kaixollas” de Marcelo Cipis.

As peças acima são exemplares sublimes da Arte Aplicada. Também para essa exposição, pela primeira vez, os familiares de Paulo Werneck disponibilizarão 15 obras originais do acervo para comercialização feita especialmente pela ETEL Interiores.

 

O evento foi um sucesso absoluto! A loja estava maravilhosa, e as novas peças confirmam que a curadoria da ETEL continua sendo de primeira linha. A São Romão como representante e Belo Horizonte também terá essas peças no Show Room em breve!

Aguardem!

 


Jardim de Brinquedo

Criados especialmente para o SPDW!, os brinquedos são assinados por  Alfio Lisi, Em2 design, Eulália Anselmo, Fernando Mendes, Flavia Pagotti Silva, Isabela Vecci, Matheus Martins e Porfírio Valladares . As peças, em colorido variado, são executadas com um material novo no mercado brasileiro: chapas de Valchromat.

Valchromat é uma evolução do MDF, é um painel de fibra de madeira, colorido em toda a espessura, com grande resistência mecânica, produzido em diversas cores, dimensões e espessuras. É um produto inovador que associa as características naturais da madeira à cor e que, pela sua maleabilidade única, permite explorar a tridimensionalidade e a beleza das texturas.

As cores transformarão o jardim do Museu da Casa Brasileira em um pequeno parque de diversões. Adultos e crianças foram convidados a brincar nesse fim-de-semana especialmente dedicado ao design.

Os brinquedos e os designers:

Alfio Lisi  – barquinho

Em2 design – pião pé de feijão e biciclo

Eulália Anselmo – gangorra viking

Fernando Mendes – carrinho SPO

Flávia Pagotti Silva – amarelinha

Isabela Vecci – jogo da memória

Matheus Martins – perna de pau

Porfírio Valladares – banco de balanço

 

 

 

 

 


Oscar Niemeyer

Além de um grande arquiteto, Oscar Niemeyer teve grande importância no cenário do design de móveis.

Seu interesse principal na estória foi expressar a importância de uma peça em relação à composição arquitetônica proposta. Segundo ele, os espaços destinados aos móveis são totalmente calculados, e caso haja mudança, todo o projeto é prejudicado. “Às vezes eles não estão de acordo com a arquitetura, o ambiente se faz sem a unidade que a gente gostaria, por isso comecei.”

Já em 1971, como um dos pioneiros da prática do design, Niemeyer movimentou e modernizou o desenho industrial no País. Seu primeiro desenho foi uma banqueta alta, e teve como maior colaboradora sua filha, Anna Maria Niemeyer.

Levando em conta todos os problemas que ele enfrentou ao iniciar sua produção no País, foi obrigado a desenvolver novos usos para os materiais que ele tinha em mãos.  Levou a princípio como base o mobiliário sueco muito utilizado neste período.

A clássica frase do arquiteto: “ Não é o ângulo reto que me atrai. Nem a linha reta, dura inflexível, criada pelo homem. O que me atrai é a curva livre sensual” o levou a concretizar vários sonhos, e com muitos estudos realizou curvaturas que pareciam impossíveis. Tanto na arquitetura como no mobiliário.

A madeira prensada foi sua maior aliada. A partir dos estudos feitos com ela, novos sistemas construtivos foram realizados e desta forma novas formas também.

Em uma de suas principais peças, a poltrona Easy Chair uma madeira é fixada ao centro do assento de onde saem seus dois pontos de apoio, garantindo assim o equilíbrio da peça. Nela podemos experimentar uma curvatura dificilmente encontrada nas peças de design que existem por aí.

Como já sabemos, Oscar assinou uma série de móveis e utilizou em seus próprios projetos pelo mundo a fora.

Hoje os móveis são reeditados, e estão exclusivamente em algumas lojas pelo Brasil.

A São Romão, com orgulho é um dos representantes.

Hoje, só para refrescar a memória, vou colocar alguns ambientes que utilizaram

Residencia por Juliana Boachat e Patricia Nicácio / móveis São Romão.

Mostra Black – João Armentano

Ambiente Carico.

Ambiente Fernanda Marques


Sergio Rodrigues – O Criador do Móvel Moderno Brasileiro

Sergio Rodrigues é um dos mais importantes designers brasileiros. Nos anos 40, quando a arquitetura brasileira tornava-se reconhecida internacionalmente através de pioneiroscomoOscar Niemeyer e Lúcio Costa, Rodrigues identificou um descompasso entre essa moderna e arrojada arquitetura e o mobiliário empregado em seu interior, importado de outros países ou com características do estilo colonial.

Criou então uma linguagem inteiramente inovadora para os padrões estéticos e formais da época ligada, ao mesmo tempo, à cultura e à identidade brasileira e avessa a formalismos; priorizando o conforto e a informalidade. Suas raízes brasileiras se revelam também no uso de materiais principalmente a madeira, nossa matéria prima mais nobre, proveniente da maior floresta tropical do mundo; além de outros materiais tradicionais como o couro e palhinha.

A São Romão e ÁXIS com muito orgulho é representante oficial em Belo Horizonte.

Hoje a procura de Sérgio Rodrigues tem sido algo inesplicável. Veja como os croquis dele são brilhantes não é por acaso tanto sucesso.

 

 


Cobertura no Rio de Janeiro por Arthur Casas

Arthur Casa, um dos arquitetos queridinhos da São Romão é o responsável por esse projeto magnífico em uma das mais belas localizações do mundo, em frente ao mar com vista para o Corcovado e o Pão de Açucar.

Arthur reformou um antigo apartamento e o transformou em uma das coberturas mais lindas do Rio.  Muita transparência para integrar todo o apartamento e valorizar a vista da baía de Guanabara.

Na decoração, além de peças de sua própria autoria, Arthur usou móveis da coleção ETEL e peças vintage, tudo em tons sóbrios como branco e bege.

Quem não gostaria de morar aqui?


Café de L’Horloge no Musée d´Orsay em Paris por Irmãos Campana

Os badalados irmãos Fernando e Humberto Campana foram quem desenharam e remodelaram o antigo Café de l’Horloge no quinto andar do Musée d’Orsay.

Com inspiração no mundo vidreiro, os irmãos Campana aplicaram suas características inconfundíveis ao espaço a fim de criar uma nova atmosfera que remetesse à sonho e à água, misturando formas orgânicas e superfícies espelhadas. O grande relógio do museu faz parte da arquitetura do local, já que o café se encontra atrás deste.

Design contemporâneo em diálogo com Art Nouveu em meio à história do lugar.

Mais uma vez o design brasileiro com destaque mundial!


Sergio Rodrigues visita Butzke

O aclamado arquiteto e designer de móveis Sergio Rodrigues esteve no último dia 14 de fevereiro para apresentação dos protótipos da linha Tajá.

Trata-se de uma linha desenvolvida por Sergio em 1978 para jardins e varandas. O primeiro protótipo para reedição foi feito para as varandas de um hotel em Mônaco. A linha tajá é feita de Lyptus com diversas opções de acabamento e cores e você pode adquirir suas peças aqui nba São Romão!

Poltrona Tajá

Sofá de dois lugares Tajá

Cadeira Tajá


Studio W em São Paulo por Arthur Casas

Localizado no shopping Iguatemi, o Studio W do badalado cabeleireiro Wanderley Nunes funciona em um espaço projetado originalmente para ser um espaço de armazenamento. Com 1600m² o studio é um mix de tecnologia, modernidade, conforto e luxo.

A estrutura de aço existente que era o maior obstáculo para o desenvolvimento do projeto acabou por se tornar marca do espaço, já que as estruturas são em forma de um W.

Arthur usou peças de sua autoria no projeto, como por exemplo o banco Zumbi, desenho do próprio, que você encontra aqui na São Romão!

 

Banco Zumbi, design Arthur Casas para São Romão


Casa Brasileira – Carlos Motta e Marisa Orth

A São Romão adora o programa Casa Brasileira do canal GNT. Casa Brasileira sempre homenageia nossos designers e arquitetos preferidos!

Nesse clima de verão escolhemos o programa que homenageou Carlos Motta, o arquiteto e designer de móveis que é a cara da estação!

Confira abaixo os vídeos do programa e veja por que achamos que Carlos Motta tem tudo a ver com o verão!

 


Sergio Rodrigues em Nova York para ESPASSO

A ESPASSO, galeria situada em Nova York, especializada em design brasileiro, seja moderno ou contemporâneo. A galeria é referência para designers de interiores, arquitetos, artistas e colecionadores de todos os cantos, apresentando com seu devido valor o design brasileiro para o resto do mundo.

Este mês a ESPASSO teve o prazer de anunciar o lançamento da sua primeira ESPASSO Sergio Rodrigues, uma espécie de loja dentro da galeria, que oferece a linha completa de mobiliário do icônico designer brasileiro. O Acervo inclui uma extensa seleção de reedições exclusivas disponíveis pela primeira vez nos EUA.

É o design brasileiro mais uma vez reconhecido mundo afora!

Assista abaixo vídeo com depoimento do mestre:


Venini

Venini é o maior mais bem sucedido nome quando o assunto é Murano. A empresa fundada em 1925 por Paolo Venini resolveu seguir uma linha com base no modernismo, na arte e na arquitetura ao esculpir belíssimas peças em Murano. As formas e cores elegantes desenvolvida pelos designers Napoleão Martinuzzi, Tommaso Buzzi, Carlo Scarpa, Gio Ponti, Tyra Lundgren e Fulvio Bianconi foram o diferencial desta que hoje é referência no mercado.

Até hoje Venini produz sua linha de vasos artísticos, desde os clássicos aos novos projetos que são lançados a cada ano. Este ano mesmo, durante a Semana de Design de Milão, a Venini comemorou 90 anos em um exposição assinada pelos brasileiríssimos Irmãos Campana em uma mostra chamada “Frammenti Rossi”, onde foram apresentadas luminárias e objetos de vidro criado pelos brasileiros e que hoje fazem parte da nova coleção da marca.

 

Venini por Irmãos Campana

Venini por Irmãos Campana

 

Venini por Irmãos Campana

Venini por Irmãos Campana

Venini por Irmãos Campana

Venini por Irmãos Campana

Venini por Irmãos Campana


Design Brasileiro – Claudia Moreira Salles

Claudia Moreira Salles

A carioca formada na Escola Superior de Desenho Industrial no Rio de Janeiro começou sua carreira como estagiária em São Paulo, e foi a partir de um projeto de móveis para escolas do governo que começou a ganhar notoriedade.

Claudia Moreira Salles passou a desenhar móveis sob encomenda para uma marcenaria que desenvolvia trabalhos para uma biblioteca, foi nessa época que a designer teve contato maior com a madeira e a mão de obra artesanal, pela qual se apaixonou e que até hoje ela segue essa linha com maestria. Projetar peças funcionais e coerentes, semi ou totalmente artesanais são os princípios de seu trabalho.

Desde a inauguração da loja Etel Interiores no ano de 1993, que Claudia Moreira Salles cria móveis exclusivos para a marcenaria Etel Carmona. Claudia sempre tenta produzir móveis com bastante leveza através da robusta madeira brasileira, o resultado surpreende! Para a designer tudo pode lhe servir de inspiração e é de acordo com as necessidades específicas que ela chega ao resultado final! Confira abaixo um pouco de trabalho de mais uma designer brasileira de sucesso!

Toda a linha exclusiva da designer Claudia Moreira Salles é encontrada aqui na São Romão!

Banco Dueto

Banco Kip

Banco Siri

Poltrona Siri

Poltrona São Conrado

Cadeira Quase Mínima

Mesa de centro Reverso

Mesa de jantar Copacabana

Mesa de jantar Cubo Libre

Abajour Cantante


Design Brasileiro – Sergio Rodrigues

Sergio Rodrigues

O arquiteto Sérgio Rodrigues, formado em 1951, viu a necessidade de criar um mobiliário diferenciado, que fosse a cara dos brasileiros e de suas casas, que mudavam muito, de acordo com a arquitetura da época. Então, a partir de um antigo sobrado na Zona Sul do Rio de Janeiro que o mestre passou a criar a mão livre seus incríveis móveis.

No início de sua carreira, o mobiliário era fabricado em jacarandá, que alguns anos depois teve de ser substituído por eucalipto certificado. Hoje em dia, seus móveis antigos (os de jacarandá) não são encontrados no mercado, são considerados relíquias, um sofá “Mole” original já chegou a ser leiloado por mais de 40 mil dólares

A agilidade e vontade de criar desse senhor que já passou dos 80 anos de idade impressiona todos que o conhecem. Sérgio não segue tendências, prefere deixa-las para arquitetos e decoradores. Sua obras são atemporais, prova maior é a premiada “Poltrona Mole”, criada em 1957 e que até hoje é hit, uma das mais requisitadas peças do designer.

O brasileiro ganhou destaque internacional quando um grupo de americanos se encantaram com a famosa poltrona “Diz” – toda feita em madeira e de um conforto indescritível – e a levaram para uma exposição em Nova York. Não deu outra… a “Diz” teve posição de destaque e parou em publicações do mundo todo.

“Design é essencialmente criatividade, estética, conforto e técnica. Todas as peças devem refletir a cultura, o clima e o estilo de vida de sua terra natal.” Palavras do mestre!

Toda a linha do Sergio Rodrigues pode ser encontrada com exclusividade na São Romão.

Coffee Table Arimello

Poltrona Beto

Poltrona Diz

Poltrona Kilin

Poltrona Mole

Sofá Mole

Poltrona Chifruda

Poltrona Voltaire

Mesa de jantar Dodora (homenagem a arquiteta mineira Dodora Gontijo)

Banco ripado Muki

Poltrona Katita

Banco Sonia

Cadeira Oscar


Design Brasileiro – Alfio Lisi

Alfio Lisi

Graduado em Arquitetura e Urbanismo pena Universidade Estadual Paulista – UNESP, Alfio Lisi descobriu sua paixão pela marcenaria em sua passagem pela Faculdade de Artes, onde aprendeu o básico e começou sua carreira de designer de móveis.

Logo que se formou, abriu seu escritório onde desenvolvia projetos paisagísticos, arquitetônicos e também de design. No ano de 2002 abriu sua marcenaria e foi a partir daí que se dedicou a arte de desenhar móveis.

Alfio Lisi faz questão de acompanhar de perto todo o trabalho e verificar pessoalmente suas peças antes delas saírem da marcenaria. Segundo o designer, “A madeira é um material bastante democrático. Com grande tecnologia ou um simples canivete, pode-se fazer algo com uma peça nobre ou mesmo sobras de madeira…” 

 

Banco Abaporu

 

Banco Jangada

 

Mesa Belenzinho

 

Mesinha Chega Aqui

 

Poltrona Bonfim

Rack Janete

 


Design brasileiro – Zanine Caldas

Jose Zanine Caldas

O baiano de Belmonte Zanine Caldas é realmente um artista completo. Maquetista, arquiteto, paisagista, artista cerâmico, escultor e designer, sempre cauteloso trilhou sua trajetória passo a passo.

Em seu primeiro emprego como maquetista, precisou desenvolver varias pesquisas que envolviam a madeira laminada. Aos poucos ele notou que a madeira compensada era mais interessante pois conseguia reproduzir com mais fidelidade as idéias do arquiteto.

Uma de suas primeiras peças em 1948,foi para uso próprio, e era a prova d´água. Pouco depois disso ele abriu uma fábrica que ficou conhecida como Móveis Artísticos Z. Essa sua novidade “tecnológica” no mobiliário, interessou bastante a classe média.  As cores eram vivas, e o material além de popular possuía dimensões menores, que se adaptavam facilmente aos ambientes mais populares da época, os apartamentos.

Zanine foi um dos primeiros a acreditar na industrialização, e em busca de um melhor preço abriu mão do artesanal e implantou em sua linha de produção os princípios da modulação e do aproveitamento completo das chapas de compensado. Os módulos eram parafusados e a forração em geral, feita por tecido sem costura como a lona, lonita listrada e plásticos pregados com tachinhas.

Alguns críticos dizem que suas pecas lembram amebóides outros apenas apontam as sinuosas formas em linhas curvas ou em formato da letra Z.

Em um segundo momento, Zanine encerrou sua participação na Móveis Artisticos Z e partiu para o outros ramos. Fez projetos de casas, desenhou para indústrias, e por fim trabalhou com madeira maciça o que para ele significou uma nova renuncia.

Sem o diploma de arquiteto,  Zanine enfrentou situações difíceis em sua carreira, mas hoje ele é mundialmente reconhecido.

Segundo seu filho, Zanini de Zanines Caldas, “Para meu pai, mais importante que o notório saber era o notório fazer” …vejamos algumas de suas criações! 

Estes e outros móveis desenhados pelo designer brasileiro Zanine Caldas são encontrados na São Romão!


Design Brasileiro – Paulo Mendes da Rocha

Paulo Mendes da Rocha

Paulo Mendes da Rocha, um dos mais importantes arquitetos e urbanista brasileiro, assume uma posição de destaque a partir de um premio que recebeu em 2006 chamado Pritkzer, cuja titulo se refere à  arquitetura contemporânea em termos mundial .

Sendo ele um exemplo do pensamento estético caracterizado como a Escola Paulista, tinha como um lema a arquitetura “crua, limpa e clara”. Apresentava soluções formais  facilmente apreendidas e vistas como uma “verdade estrutural” da arquitetura.

Assinou importantes projetos arquitetônicos em São Paulo tais como o museu Brasileiro da Escultura (Mube), o pórtico da praça Patriarca, a reforma da Estação da Luz e o ginásio do Clube Paulistano.

No âmbito mobiliário, não deixou por menos, foi o criador da famosa Poltrona Paulistana que possui uma estrutura em aço flexível com assento e encosto por uma capa de couro ou tecido. A Paulistano foi também editada em pequenas series, e em 2009, entrou para a seleta coleção permanente do Museu de Arte Moderna (MoMa) em Nova York.

Em 1981, projetou um espreguiçadeira com chapa e aço. A Chaise Longue.

Segundo Paulo, “O que a arquitetura pretende é amparar as atividades humanas. São elas que vão fazer brilhar toda a cidade”. Vejamos alguns bons exemplos deste brilhante profissional.

Estação da Luz em São Paulo

Museu Brasileiro da Escultura em São Paulo

Pinacoteca do Estado de São Paulo

Praça do Patriarca em São Paulo

Chaise Longue

Poltrona Paulistano


Design Brasileiro – Jorge Zalszupin

Jorge Zalszupin (1922)

No ano de 1949, desembarcava no Rio de Janeiro o polonês Jerzy Zalszupin. Formado em arquitetura na Romênia, começou sua carreira no escritório de arquitetura do seu conterrâneo Luciano Korngold, no estado de São Paulo. No início não podia assinar pelos seus projetos, por não ser brasileiro, mas depois q            ue se casou e teve sua filha no país, recebeu sua nacionalidade e pôde abrir o próprio escritório. Foi a partir daí que surgiu o Jorge Zalszupin, designer e artesão de móveis. Fundou sua marca, a L’Atelier em 1959, com a proposta de um lugar para criações conjuntas , na produção de poltronas como a Dinamarquesa, a Paulistano entre outros móveis, que hoje são reeditados pela marcenaria Etel Carmona.

Em 2010, Zalszupin, aos 88 anos, depois de 45 anos sem criar uma peça, desenhou a poltrona Verônica  em homenagem a sua filha. A “Verônica” e outros móveis desenhados por Jorge Zalszupin encontram-se á venda e em exposição aqui no showroom da São Romão.

 

Carrinho de Chá

Poltrona Dinamarquesa

Banco Capri

Mesa Pétalas

Poltrona Paulistana

Poltrona Veronica


Design Brasileiro – Branco & Preto

Muita gente já ouviu falar, mas poucos sabem da historia desta marca que sobrevive há tanto tempo. Foi em 1962, quando seis jovens – Roberto Aflalo, Jacob Ruchti, Miguel Forte, Plínio Croce, Carlos Milan e o Chinês Chen Y Hwa – se uniram e começaram um empreendimento de uma nova marca que hoje é uma das mais renomadas de todos os tempos, a Branco & Preto.

A princípio esses jovens abriram uma loja de artesanato e decoração com moveis de desenho moderno, matéria-prima nacional e acabamento impecável. Rapidamente caíram no gosto da alta sociedade paulista, e muitos investidores donos de escritório de arquitetura apoiaram, pois acreditavam que este mobiliário não agredia as construções modernistas as quais em São Paulo tanto se usava.

Com um design sóbrio e elegante que remetia ao trabalho de Mies van der Rohe, Charles Aemes, Mc JaCobb e Frank Loyd Wright, esses jovens vanguardistas romperam com a idéia de moveis gordos e avantajados, como eram até então usados e apreciados.

A loja passou por momentos difíceis, e após se mudarem para a Augusta, a principal rua de loja de móveis em São Paulo, após 5 anos fechou as portas.

No entanto, a historia não parou por ai,em 2004, esses mesmos moveis passaram a ser reeditados pela empresaria Etel Carmona. Segundo Etel, as peças obedecem exatamente aos modelos originais, e possuem uma modernidade atemporal, de encaixes perfeitos, impossíveis de serem industrializados.

Este casamento do Branco & Preto com Etel, não poderia ser melhor! As madeiras nobres como jacarandá e mogno,foram substituídas por espécies certificadas. Mais uma vez, a marcenaria Etel Carmona, assina uma parceria de sucesso, que tanto agrada a quem realmente procura por exclusividade.

Na São Romão você pode conferir este resultado.

Poltrona M1

 

 

Mesa Branco & Preto

Mesa de Ripas

Mesa Aranha


Design Brasileiro – Gregori Warchavchik

Gregori Warchavchik

Arquiteto Ucraniano, Gregori Warchavchik discípulo do pensamento de Walter Gropius, Mies Van der Rohe e Le Corbusier, também formado no curso de Belas Artes em Roma, decidiu que o Brasil seria o lugar em que poderia colocar suas idéias e sonhos e pratica.

Desta forma atuou como um vanguardista de mão cheia. Foi responsável por importantes movimentos e publicações que abordavam assuntos polêmicos como “A casa como um bem de consumo qualquer”, e “O detrimento do provincianismo da arquitetura no Brasil”.

Foi também o autor da primeira residência considerada mordenista na vila Mariana em São Paulo, mas foi a construção da Rua Itápoles no Pacaembu que agradou de vez o grande publico. Era uma casa/pavilhão que recebeu importantes telas como a de Tarsila do Amaral, Anita Malfati e outros expoentes da semana de arte em 1922, além de conter moveis de rua própria autoria.

O arquiteto solucionou de maneira estética questões econômicas e funcionais, tanto em seus projetos como na linha de moveis que desenvolveu, onde se destacam o carrinho Warchavchik, a Mesa circular Warchavchik e o Revisteiro Lequeque hoje são reeditados pela Marcenaria Etel Carmona, e vendidos em Belo Horizonte com exclusividade na São Romão.

Carrinho Warchavchik

Revisteiro Leque

Mesa Circular Warchavchik


Design Brasileiro – Flávio de Carvalho

Flávio de Carvalho (1899 - 1973)

Uma das figuras mais polêmicas dos anos 30, o artista formado em engenharia e artes plásticas na Inglaterra, ao voltar para o Brasil atuou como arquiteto, pintor e escultor, cenógrafo e figurinista. Chamou bastante atenção em um de seus agitos culturais ao andar pelas ruas de São Paulo vestindo saia e sandálias de couro!

A eficiência na estrutura e diferentes texturas foram itens de destaque em suas obras. Prova disso está nos móveis criados por ele, principalmente nas cadeiras; peças que vão além do simples ato de sentar, são móveis questionadores e ousados que entraram para o história do design brasileiro!

Cadeira Flávio de Carvalho

Poltrona Flávio de Carvalho

Auto-retrato